Fala aí galera, tudo bem? Hoje o papo vai ser diferente, vou falar de wargames!

Já adianto que não sou muito experiente no universo dos wargames, mas quando fui apresentado a ele pelo meu camarada MecanicKrakem, há cerca de um ano atrás,  confesso que agora é um dos estilos de jogo que mais gosto, talvez por, na maioria das vezes, reunir algumas das mecanicas que mais curto em qualquer jogo, jogadores com diferentes habilidades, controle de area e ‘porradaria’!

Antes de falar de dez jogos que recomendo, vou dar uns toques:

  • Tirando Twilight Struggle, que veio pela Devir, nenhum dos outros jogos abaixo, infelizmente, foi lançado no Brasil.
  • Apesar do BGG classificar jogos como Root, Guerra do Anel, Rebellion, etc. como wargame, o foco aqui será outro, mesmo por que já existe dezenas de analises sobre esses jogos, inclusive aqui no canal.
  • Tirando Fire in the Lake, todos os demais são jogos 1X1 (dois jogadores).
  • A maioria tem regras extensas, com bastante exceções, portanto tem que ter paciência para encarar manuais longos. Mas geralmente depois que pega as manhas os jogos fluem tranquilamente. Também tem alta dependência de idioma, então é bom ter uma noção de inglês.
  • Geralmente, são jogos demorados, entao reserve algumas horas para encará-los.
  • Alguns podem ter um lado polemico, pois voce pode ter que jogar de nazista, terrorista, vietcong, escravagista. Ou ainda, encarar um conflito ideológico como capitalista X comunista, então abstraia tudo isso e encare apenas como um jogo que representa um fato histórico da humanidade.

Bom, vamos ao que interessa!

1º – Labyrinth: The War on Terror, 2001-?

O jogo tem como tema a guerra dos Estados Unidos e seus aliados contra os Jihadistas muçulmanos. A mecanica principal segue a linha de jogos como Twilight Struggle, ou seja, baseado em cartas que podem ser usadas pelos seus eventos ou pelos seus pontos de operação, o famoso card driven. Porém, diferente do TS, ele já traz uma assimetria muito grande nas ações e na forma de se conseguir a vitória. Enquanto os EUA buscam espalhar a democracia e acabar com as células terroristas, os jihaditas buscam ‘patrocinadores’ para seus atentados com o proposito de impor suas ideias pelo terror. Figuras famosas como Saddan Hussein e Bin Laden estão presentes. O simbolo de “?” no nome não é a toa já que essa guerra ainda está sendo travada, por isso sempre novas cartas de eventos são lançados com fatos atualizados. O tempo de duração do jogo pode ser ajustado decidindo quantas vezes o baralho vai rodar.

2º – Hearts and Minds: Vietnam 1965-1975

Um dos motivos dos Estados Unidos saírem da guerra do Vietnã foi a pressão psicológica interna que o governo sofria de grupos pacifistas, tipo os hippies do filme Hair, a cada soldado morto aumentava essa pressão e a cada ano que passava os custos de uma guerra do outro lado do mundo também aumentava, esse é o foco desse jogo. Um dos jogadores comanda o numeroso exército do Vietnã do Norte que apoiado pelos vietcongs peritos em emboscadas e outras técnicas de guerrilha tentam combater os bem equipados e treinados americanos que contam com a ajuda do exército sul vietnamita. O jogo tambem segue o esquema de card driven, mas aqui cada um tem seu proprio baralho que é embaralhado a cartas de uso comum, então ninguém consegue executar em evento favorável ao adversário, tem ainda cartas de missões que se cumpridas lhe dão grandes vantagens, além disso você pode acumular seus pontos de operação como provisões para os próximos turnos. A pontuação é no esquema cabo de guerra, ou seja, cada ponto marcado faz o marcador de ponto andar para um dos lados. O tempo de jogo e condições de vitória variam com o ano que você decide começar e terminar a guerra. Apocalipse Now total.

3º – Hannibal & Hamilcar

Uma reimplementação do clássico jogo Hannibal: Roma vs Carthage. É tambem um card driven onde voce usa pontos de operações para realizar suas ações, como ativar seus generais para liderar suas tropas. O objetivo é espalhar influência pelas diversas regiões do mapa que representa a região do Mediterrâneo onde foi travada essa guerra, conhecida como Guerras Púnicas, entre os dois grandes impérios da antiguidade, romanos e cartagineses. E justamente pela região ser no mar mediterrâneo, a questão naval é um fator relevante na estratégia do jogo, bem como a participação dos povos do norte da África que adiciona elefantes a batalha, que, diferente das maiorias dos wargames, aqui não é decidida na rolagem de dados, mas sim por cartas. É o único da lista que tem miniaturas para representar seus generais, mas isso é só a cereja do bolo desse espetacular jogo.

4º – Wilderness War

Na mesma pegada de Hannibal, mais um excelente card driven, dessa vez representando o período entre 1755 e 1760 e retrata o conflito entre França e Inglaterra pelo controle da América do Norte. Aqui você tambem gasta seus pontos de operação para ativar seus generais e movimentar seus exércitos, mas ainda pode fazer paliçadas ou fortalezas ou ações de assalto a essas fortalezas, ele adiciona uma assimetria bem bacana já que voce ainda pode contar com a ajuda de algumas tribos indígenas e seus conhecimentos de terreno e ações de ‘sabotagem’, ele também possui condições de vitória diferentes, dependendo de qual lado você esta.

Uma observação sobre um elemento bem comum em wargames e muito bem explorado aqui é o chamado winter attrition. Imagine que quanto maior sua tropa, maior a necessidade de suprimento para mante-la, e quanto mais espalhada, mais dificil fazer esses suprimentos chegar, por isso você deve estabelecer uma rota de suprimento valida para garantir que suas tropas não morram de fome, e já adianto que não é nada facil.

5º – Sekigahara: The Unification of Japan

Esse é um jogo que parece mais um Xadrez que um wargame, graças a sua elegância, simplicidade e estratégia de movimentação únicas. Suas unidades – blocos de madeira – são escondidas do adversário e todas as ações são baseadas em cartas de lealdade ou motivação, diferente da maioria dos wargames, não há rolagem de dados. Ele se passa nos anos de 1600 onde ouve uma cruzada pelo Japão para unificá-lo. Lindo e uma verdadeira aula de design.

6º – Washington’s War

Esse é o jogo ‘pai’ dos card drivens e dos pontos de operação, retrata o período de independência americana, um lado joga de britânico e outro de americano, que pode ainda receber uma ajudinha da marinha francesa. Assim como em Hannibal e Wilderness War jogamos no esquema de ativação de nossos generais para liderar nossas tropas. Vence o jogo aquele que no final do jogo influenciar certo número de províncias dos Estados Unidos. Um dos jogos da lista com regras mais simples já que existem poucas cartas de eventos, menos assimetria e é menos demorado, pois os turnos são mais rapidos e o fim de jogo é determinado por cartas de eventos jogados ao longo do jogo. Considero ele um ótimo jogo de entrada para o universo dos WG.

7º – Fire in the Lake

Mais um jogo sobre a guerra do Vietnã, mas que usa uma clássica mecanica dos wgs, o sistema COIN, ou contra insurgência, criado por Volko Ruhnke, que alem de game designer é consultor da CIA, ele é também autor de outros jogos da lista, como o Labyrinth e o Wilderness War, ou seja, o cara é o papa dos wargames. Ele traz o nível de assimetria ao extremo, cada uma das quatro facções joga e vence de maneiras completamente diferentes, por isso é um jogo com curva de aprendizado bem alta. O jogo é num esquema 2 X 2, americanos são aliados dos sul vietnamitas e os vietcongs dos norte vietnamitas, porém, no final, apenas uma facção sai vencedora. Jogo IV da série COIN.

8º – Twilight Struggle

O mais popular dos wargames e o melhor ranqueado do BGG, se passa na guerra fria entre Estados Unidos e União Soviética e por isso, o foco é em ações de influenciar o maior número de nações e não em combate. Jogo no sistema de card driven onde os eventos são separados por décadas. Destaque para a corrida espacial, fato determinante no período. Pontuação no esquema cabo de guerra.

Há muitos reviews dele em português já que a Devir o trouxe pra cá (traz outros wg aí Devir!) então não vou falar muito sobre ele aqui, mas é um jogo que gosto demais.

9º – Memoir 44

Um wargame muito popular, inclusive por ser publicado pela Days of Wonder (Galápagos, ajuda aí po!) ele possui regras muito simples, é rapido, miniaturas e muitas expansões, por isso é um best-seller. Tem como tema a Segunda Guerra Mundial, principalmente o dia D e a tomada da Normandia (mas sem o soldado Ryan para nos preocuparmos). Merece destaque por usar o sistema Commands & Colors, criado por Richard Borg alguns anos antes no jogo Battle Cry, nele nos sentamos um de frente ao outro e divide-se o mapa em três setores, direito, centro e esquerdo, então usamos cartas para ativar as tropas nesses setores. Esse sistema é muito usado e gerou até uma série de jogos com seu nome.   

10º – Commands & Colors: Napoleonics

Pegue o sistema usado no Memoir 44 e eleve a um nivel superior, esse é o C&C Napoleonics. Um jogo que traz como cenário as batalhas da era napoleônica e poe frente a frente franceses contra ingleses e ainda outras nações a alguns cenários (como os portugueses oras pois!). Adiciona novos elementos estratégicos como a formação ‘square’ da sua infantaria para se proteger e ganhar um folego para continuar. Talvez a principal diferença entre ele e alguns outros C&Cs se dá no fato de que a quantidade de dados usados no combate varia com o tamanho da sua tropa.

As regras são mais complexas que o Memoir 44 afinal ele é “um passo a mais” no mundo Commands & Colors. Possui bastante expansões disponíveis que trazem novas nações e cenarios para a guerra, mas recomendo a Generals, Marshals, Tacticians que traz, além disso um novo deck de cartas táticas que podem fazer a diferença na hora da batalha. Uma dica: se achar um usado em bom estado compre! Ou tenha paciencia para colar dezenas de adesivos em cubinhos de madeira.