Anos 90, Technotronic no rádio, Barrados no Baile na TV, facas Ginsu, mas o que você mais esperava era chegar sexta-feira para ir com seu pai na locadora e, enquanto ele pegava o ultimo lançamento do Stallone, você corria pra ver se aquele cartucho que você tanto queria zerar estava disponível!

Calma, esse não é o roteiro da novela das 7, mas sim o tema de o “Bom do Videogame”, um jogo de Patrick Matheus (autor de Gnomopolis e Masmorra de Dados) e André Luiz Negrão (Autor do Curso de Game Design da Game Academy) e que entra em financiamento coletivo no Catarse dia 14 de agosto.

No jogo somos crianças no início dos anos 90, que devem cumprir uma série de atividades durante a semana como conseguir dinheiro, estudar, comprar revistas no jornaleiro com o “detonado do jogo”, para, enfim, poder alugar seus cartuchos, implorar aos pais por jogos de presente e, finalmente, jogar o máximo que puder até “zerar”.

Algumas cartas do jogo.

As mecânicas principais do jogo são seleção de ações onde os jogadores pegam uma Ficha de Botão, ativando um dos dois efeitos correspondentes à posição do botão para acúmulo de recursos. Gerenciamento de Mão, já que os botões obtidos são usados para montar combinações em suas mãos, necessárias para zerar os jogos e coleção de conjuntos.

O desafio do jogo é justamente esse, gerenciar recursos como dinheiro e estudo para ter acesso aos jogos, lançamentos e revistas, e então montar uma combinação na mão para zerar os jogos.

O objetivo do jogo é pontuar o máximo que puder em um sistema de salada de pontos entre jogos zerados, maioria de jogos jogados, maioria de novidades e pontuação de reputações variáveis, tem jogos de luta, jogos de tiro, esportes, etc.

um dos cartuchos pra zerar.

A arte de jogo parece estar muito bonita e temática, com bastante referência aos anos 90.

Então fiquem de olho, acompanhem o andamento da campanha no Catarse e assim que tivermos mais novidades colocamos aqui no canal.