Quem me conhece ou acompanha o blog sabe que sou muito fã do Martin Wallace e esse é o quarto jogo dele que falo em menos de dois meses de canal.

Railways of the World é o mais leve desses quatro (Brass: Lancashire, Brass: Birmingham, Auztralia), mas mesmo assim é um jogão!

Ele é um exemplo clássico da mecanica de pick up & deliver, apesar de ter outras mecanicas como o leilão que define o primeiro jogador, o foco é construir rotas (de trens óbvios, afinal é Martin Wallace), pegar uma mercadoria, representada por cubos coloridos, em uma cidade e entregar em outra.

A cor da cidade determina a sua demanda e o seu tamanho determina a sua oferta de produtos que são sorteados no início do jogo, cabe a você analisar e interliga-las para fazer a entrega. Existem ainda cidades cinzas onde você pode urbanizá-las e as transformar em uma cor que desejar, nesse momento mais dois cubos são adicionados a ela, e talvez ai esteja o único fator sorte do jogo já que o restante das informaçoes são todas abertas.

Você começa o jogo sem dinheiro, mas o governo local quer que você progrida para que a região prospere, entao ele está sempre disposto a te emprestar dinheiro em títulos do governo no valor de $5, mas que vai te gerar a partir de agora uma obrigação de pagar $1 de juros por rodada até o final do jogo, já que esses títulos não podem ser liquidados!

Você pontua no jogo conforme entrega as mercadorias e quanto mais distante é essa entrega, mais pontos você marca. Porém no começo do jogo sua locomotiva é fraca e só pode entregar a uma cidade de distância, por isso, uma das ações do jogo é evoluir essas locomotivas para chegar mais longe.

Outra forma de pontuar é ligando duas cidades especificas que depende do mapa que voce está jogando (sim, assim como em ticket to ride, existem mapas de diversas partes do mundo para voce jogar, inclusive uma de Portugal, feita por Vital Lacerda), a caixa-base vem com os mapas do México e do Leste dos Estados Unidos. Você pontua também baseado no objetivo secreto do seu barão que lhe é dado no início do jogo.

Conforme você avança no trilho de pontuação tambem avança no trilho de lucro que sua empresa gera, porem essa curva de lucro começa a se estabilizar no meio dessa trilha e a cair já mais pro final, como se sua empresa tivesse se tornado tao grande que o custo operacional dela se tornou muito alto.

Assim que uma cidade tenha suas mercadorias esgotadas ela se torna uma cidade fantasma e o jogo acaba quando um certo numero de cidades fantasmas apareçer, variando conforme o mapa e o número de jogadores.

O jogo é uma evolução de Railroad Tycoon e uma re-implementação de Age of Steam, então se você quer entrar de leve no mundo de Martin Wallace, ou ter uma ótima experiencia de ‘pick up and delivery’ e construção de rotas, recomendo muito Railways of The World.